Pular para o conteúdo principal

Ventilação cruzada

Fonte: IBDA.

A ventilação cruzada pode ser conceituada como a movimentação do ar no interior de uma edificação sem que ocorra a indução de sistemas mecânicos. Para isso é obrigatório a existência de vãos (janelas, elementos vazados, portas, estes últimos nem sempre são convenientes por questões de privacidade) em um ambiente, dispostos em paredes opostas ou adjacentes, permitindo a entrada e saída do ar. É denominada cruzada indireta quando as aberturas dão acesso a outro ambiente e cruzada direta.

Esse processo ocorre devido a presença de diferentes pressões de ar, ou seja, por influência dos ventos ou por temperaturas distintas de densidades diferentes. É necessário que existam no mínimo duas aberturas em face oposta ou adjacente, assim o ar fluirá pelo ambiente carregando consigo o ar quente e deixando o ar fresco dentro do ambiente. A intensidade do fluxo de ar será proporcional ao tamanho das aberturas e à diferença de pressão.

Existe a ventilação cruzada direta, quando os vãos estão voltados para o meio externo e a ventilação cruzada indireta se as aberturas dão acesso a outro ambiente.

Normalmente, a ventilação cruzada deve ser definida no projeto arquitetônico do imóvel. Sendo importante identificar o vento predominante da região (frequência, direção e velocidade), pois estes são aspectos que irão variar e se não forem analisados corretamente este tipo de ventilação poderá causar desconforto e resfriamento indesejado.

Fonte:Grupo MB.

* Vantagens
  • Conforto ambiental;
  • Higienização dos ambientes através da circulação e renovação de ar;
  • Diminuição da temperatura no interior do imóvel;
  • Controle térmico, sem necessidade do uso de aparelhos de ar condicionado que geram gastos de energia.
* Referências
POSSEBOM, A.; et. al. Ventilação cruzada. 5º Seminário internacional de construções sustentáveis - IMED.
CUNHA, L. J. B. F. Análise de métodos para aplicação de ventilação natural em projetos de edificações em Natal - RN. 2010. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo - Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.
IBDA - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura.
Sustentarqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…