Pular para o conteúdo principal

Ventilação cruzada

Fonte: IBDA.

A ventilação cruzada pode ser conceituada como a movimentação do ar no interior de uma edificação sem que ocorra a indução de sistemas mecânicos. Para isso é obrigatório a existência de vãos (janelas, elementos vazados, portas, estes últimos nem sempre são convenientes por questões de privacidade) em um ambiente, dispostos em paredes opostas ou adjacentes, permitindo a entrada e saída do ar. É denominada cruzada indireta quando as aberturas dão acesso a outro ambiente e cruzada direta.

Esse processo ocorre devido a presença de diferentes pressões de ar, ou seja, por influência dos ventos ou por temperaturas distintas de densidades diferentes. É necessário que existam no mínimo duas aberturas em face oposta ou adjacente, assim o ar fluirá pelo ambiente carregando consigo o ar quente e deixando o ar fresco dentro do ambiente. A intensidade do fluxo de ar será proporcional ao tamanho das aberturas e à diferença de pressão.

Existe a ventilação cruzada direta, quando os vãos estão voltados para o meio externo e a ventilação cruzada indireta se as aberturas dão acesso a outro ambiente.

Normalmente, a ventilação cruzada deve ser definida no projeto arquitetônico do imóvel. Sendo importante identificar o vento predominante da região (frequência, direção e velocidade), pois estes são aspectos que irão variar e se não forem analisados corretamente este tipo de ventilação poderá causar desconforto e resfriamento indesejado.

Fonte:Grupo MB.

* Vantagens
  • Conforto ambiental;
  • Higienização dos ambientes através da circulação e renovação de ar;
  • Diminuição da temperatura no interior do imóvel;
  • Controle térmico, sem necessidade do uso de aparelhos de ar condicionado que geram gastos de energia.
* Referências
POSSEBOM, A.; et. al. Ventilação cruzada. 5º Seminário internacional de construções sustentáveis - IMED.
CUNHA, L. J. B. F. Análise de métodos para aplicação de ventilação natural em projetos de edificações em Natal - RN. 2010. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo - Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.
IBDA - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura.
Sustentarqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Etapas de um Projeto de Engenharia Civil

Cada projeto tem suas próprias características, mas basicamente um projeto é estruturado de acordo com as seguintes etapas:
Programa de Necessidades
Inicialmente é realizado o Programa de Necessidades, uma das etapas mais importantes na elaboração do projeto. Nessa fase ocorre uma reunião com o cliente, denominado "Reunião de Briefing". Nesse encontro o cliente informa o que ele quer no projeto como quantos cômodos terá a construção, tipo de acabamento, seus gostos e preferências, etc.
Também é realizado um estudo de viabilidade financeira, onde será analisado se a previsão de investimento do cliente será suficiente para fazer tudo que foi acordado ou se será necessário redimensionar o projeto.
E ainda, nessa reunião são coletados os documentos da propriedade para ver se está tudo regularizado. Importante não pular essa etapa pois pode evitar retrabalhos futuras.
Visita ao Local / Levantamento de Dados
Nessa etapa é analisado as questões legais do empreendimento, o estudo do …

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…