Pular para o conteúdo principal

Construção Seca - conceitos novos de engenharia!

O que é?


É um método de construção diferente da alvenaria tradicional, pois dispensa o uso de cimento preparado em obra, tijolos, blocos de concreto e armações convencionais. É um tipo de construção amplamente utilizada na Europa e Estados Unidos, ainda é novo aqui no Brasil.


Que materiais são utilizados?


Perfis estruturais, que podem ser de madeira  ou de aço galvanizado com tratamento anticorrosão. A construção seca é composta por vários “subsistemas”, como fundação normalmente do tipo radier; isolamento termo acústico, como a manta de lã de vidro;  fechamento interno com placas de gesso acartonado ou em placa cimentícia para áreas molhadas como cozinhas e banheiros; tratamento de juntas e  instalações elétricas e hidráulicas.


Métodos?


Os métodos mais conhecidos são o  Wood Frame (que leva perfis de madeira) e o Steel Frame (que leva perfis metálicos).

Quais benefícios?


  • Facilidade e rapidez na montagem;
  • A construção de paredes de gesso acartonado, em larga escala, é muito mais econômica pelo fato de gerar mínimo desperdício;
  • Ganho de área útil - em alguns casos as paredes podem ser construídas com espessura de apenas 7,5cm, o que é impossível para uma parede de alvenaria comum;
  • Facilidade na manutenção de sistemas elétricos e hidráulicos, pois o corte da placa de apenas um lado dá acesso aos fios e canos;
  • São leves e por isso aliviam a sobrecarga na estrutura da edificação;
  • No caso do light steel frame:
    • prazos menores para a execução da obra;
    • o material é resistente à corrosão, portanto, há um aumento da durabilidade;
    • maior qualidade do acabamento;
    • melhor isolamento acústico;
    • redução de desperdício;
    • possibilidade de reciclagem em 100%.


Desvantagens?


  • Perdem um pouco da resistência quando submetidas a altas temperaturas (fogo);
  • Para sustentar sobrecargas maiores de10kg, é necessário fazer a fixação no perfil metálico. Para pesos superiores a 18kg, é necessário fazer um reforço com chapas ou perfis de aço ou madeira.
  • É um estimulo a proliferação de insetos nos vazios dos painéis (especialmente a traça);
  • As placas de gesso não podem ter contato direto com a água e, portanto, não são indicadas para áreas externas (existem as placas verdes que são especiais para áreas molhadas, mas também só funcionam com revestimento cerâmico e custam até 20% mais caro);
  • Outros.


Fonte: www.casosdecasa.com.br

Fonte: http://www.bricka.com.br



Referências:
* Rosenbaumdesign



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…