Pular para o conteúdo principal

Simuladores de desempenho energético

Hoje, podemos estimar o consumo de energia de uma edificação ainda na fase de projeto e propor melhorias que contribuirá com o melhor desempenho energético do empreendimento. Isso graças  aos simuladores computacionais existentes atualmente no mercado.


A simulação utiliza modelos simplicados dos processos físicos considerados relevantes para a previsão de múltiplas variáveis, como por exemplo:

  • a temperatura no interior do ambiente;
  • se há necessidade de climatização;
  • níveis de iluminação natural;
  • conforto térmico dos ocupantes;
  • outros.


As informações obtidas são calculadas em cima dos dados fornecidos pelo usuário da ferramenta, ou seja, pelos dados de projeto: de acordo com o material que será utilizado, equipamentos (lâmpadas, eletrodomésticos, etc), número de ocupantes, temperatura exterior, etc. Dessa forma, é possível fazer várias simulações alterando dos dados do projeto até obter um resultado satisfatório quanto ao consumo energético.


Alguns simuladores presentes no mercado:


  • Energyplus


Ferramenta, desenvolvida nos Estados Unidos, disponibilizada gratuitamente, reconhecida pelo ASHRAE 140 - 2004 (American Society of Heating, Refrigeration and Air Conditioning Engineers), e que desenvolve a sua metodologia de ação com base no modelo de simulação dinâmica multizona, ou seja, avalia cada ambiente separadamente diferente do monozona (exemplo: Procel Edifica), que avalia o edifício como um todo e no final você tem uma média do consumo, o que não é muito preciso.


Uma desvantagem do Energyplus é a complexidade do programa, não é possível transferir o projeto do autocad para dentro do programa, sendo necessário criar o projeto através de coordenadas por coordenadas. Também é necessário conhecimento multidisciplinar do usuário e uma compreensão mais aprofundado a respeito das diversas variáveis envolvidas no balanço térmico de uma edificação para a interpretação dos resultados das simulações.


  • Design Builder


Também uma ferramenta multizona, de origem inglesa (2005), destaca-se pela sua maior facilidade e rapidez para a modelação 3 D de um determinado edifício, bem como pela introdução de informações gerais relativos aos materiais de construção e a equipamentos a serem aplicados. É possível transferir dados para programas externos (ex. Energyplus) a fim de obter informações mais precisas e específicas.




Fonte: Comfort Analysis -  www.designbuilder.co.uk




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Etapas de um Projeto de Engenharia Civil

Cada projeto tem suas próprias características, mas basicamente um projeto é estruturado de acordo com as seguintes etapas:
Programa de Necessidades
Inicialmente é realizado o Programa de Necessidades, uma das etapas mais importantes na elaboração do projeto. Nessa fase ocorre uma reunião com o cliente, denominado "Reunião de Briefing". Nesse encontro o cliente informa o que ele quer no projeto como quantos cômodos terá a construção, tipo de acabamento, seus gostos e preferências, etc.
Também é realizado um estudo de viabilidade financeira, onde será analisado se a previsão de investimento do cliente será suficiente para fazer tudo que foi acordado ou se será necessário redimensionar o projeto.
E ainda, nessa reunião são coletados os documentos da propriedade para ver se está tudo regularizado. Importante não pular essa etapa pois pode evitar retrabalhos futuras.
Visita ao Local / Levantamento de Dados
Nessa etapa é analisado as questões legais do empreendimento, o estudo do …

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…