Pular para o conteúdo principal

Que tal beber o próprio suor?

Já pensou em beber seu próprio suor? Embora parece muito estranho e um pouco nojento, isso pode ser sim possível.

O engenheiro Andreas Hammar desenvolveu uma máquina que destila a água contida em roupas encharcadas de suor, tornando-a potável. O equipamento funciona mais ou menos assim: as roupas suadas são aquecidas, o suor é extraído na forma de vapor, e conduzido a uma membrana que deixa passar somente as moléculas de água, retendo as impurezas. A técnica é denominada destilação por membrana.

Segundo Hammar, é utilizado uma substância que é parecida como gore-tex (um tipo de tecido impermeável) que apenas deixa passar o vapor, retendo bactérias, sais minerais, fibras de tecido e outras substâncias. Algo similar é usado na Estação Espacial Internacional para tratar a urina dos astronautas. No entanto, Hammar afirma que a máquina foi mais barata de construir.

A máquina foi desenvolvida especialmente para a Unicef, com o objetivo de promover uma campanha de conscientização sobre a falta de água potável.

Segundo os responsáveis pelo equipamento, a água resultante da máquina de suor é mais limpa dos que as encontradas nas torneiras de Gotemburgo, na Suécia, local onde a máquina foi testada.

A quantidade de água produzida dependerá da quantidade de suor. Uma camiseta suada normalmente produz 10 ml de água, cerca de um gole de água.

Ainda não foram concluídos estudos sobre a viabialidade de industrilizar a máquina.

Vários locais no mundo sofrem com a falta de água potável. E por isso, infelizmente, muitas crianças ainda morrem. É chocante pensarmos em beber o nosso próprio suor ou de outras pessoas, mas para muitos isso pode ser uma solução. Se essa máquina será viável ou não para industrialização ainda não sabemos. Mas que tal pensarmos um pouco no sofrimento que muitas pessoas ao redor do mundo passam por não ter essa água que eu e você tanto desperdiçamos. Começar a pensar nos nossos atos, economizar água, pode até parecer que não faz diferença para nós agora, mas não sabemos como vai ser futuramente. Pense nisso! 


Máquina que 'recicla' suor para produzir água (Foto: Unicef/BBC)
Máquina de suor. Fonte:  Unicef/BBC. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…