Pular para o conteúdo principal

Consumo de água na produção de alimentos: água que não vemos.

Os alimentos que consumimos diariamente demanda de uma enorme quantidade de água, que normalmente consumimos sem perceber.


Em 2002, o professor Hoekstra, na época no Instituto de estudos da Água da Unesco (hoje na Univ. de Twente nos Países Baixos), com apoio do professor Chapagain, visando estimar o consumo de água doce em produtos e serviços, considerando o uso direto no processo de produção e o indireto nas várias etapas da cadeia de suprimentos criaram o conceito “Pegada Hídrica” ou “Pegada da Água”.

Vamos dar uma olhadinha no quanto de água é necessário para produzir alguns itens do nosso cotidiano:

Milho: 1222 l/ kg

Em média, a pegada hídrica global do milho é de 1.220 litros / kg, podendo variar de país para país. No Brasil, ela é de 1750 litros / kg, já na Índia chega a 2.540 litros / kg. Entre 1996 e 2005, a produção de milho mundial contribuiu para 10% da pegada hídrica da produção agrícola.

Alface: 237 l/ kg

Segundo o Waterfootprint.org, a pegada hídrica global do alface é, em média, de 240 litros / kg. No entanto, ela difere de lugar para lugar. Por exemplo, na China e nos EUA, os dois maiores países produtores da verdura, o alface tem uma pegada hídrica de 290 e 110 litros / kg, respectivamente.

Vinho: 109 l / 125 ml (1 taça)

A pegada hídrica média global das uvas é de 610 litros / kg. Um quilograma de uvas dá 0,7 litros de vinho, de modo que a pegada hídrica do vinho é de 870 litros de água por litro de vinho. Isto significa que a produção de uma taça de vinho (125 ml) consome até 110 litros, em média.

Tomate: 214 l / kg

Em média, a produção de um tomate (250 gramas) leva até 50 litros de água. Já quando se fala em ketchup, o consumo de água salta para 530 litros por quilo do produto.

O infográfico abaixo, publicado no site do Planeta Sustentável, é bem interessante.






Fontes:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Etapas de um Projeto de Engenharia Civil

Cada projeto tem suas próprias características, mas basicamente um projeto é estruturado de acordo com as seguintes etapas:
Programa de Necessidades
Inicialmente é realizado o Programa de Necessidades, uma das etapas mais importantes na elaboração do projeto. Nessa fase ocorre uma reunião com o cliente, denominado "Reunião de Briefing". Nesse encontro o cliente informa o que ele quer no projeto como quantos cômodos terá a construção, tipo de acabamento, seus gostos e preferências, etc.
Também é realizado um estudo de viabilidade financeira, onde será analisado se a previsão de investimento do cliente será suficiente para fazer tudo que foi acordado ou se será necessário redimensionar o projeto.
E ainda, nessa reunião são coletados os documentos da propriedade para ver se está tudo regularizado. Importante não pular essa etapa pois pode evitar retrabalhos futuras.
Visita ao Local / Levantamento de Dados
Nessa etapa é analisado as questões legais do empreendimento, o estudo do …

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…