Pular para o conteúdo principal

Perdas de água por Estado - uma receita perdida

As perdas em sistemas de abastecimento correspondem aos volumes de água não contabilizados, incluindo os volumes não utilizados e os volumes não faturados (PERTEL, 2009).

As perdas de água podem ser de dois tipos:

Reais: são as perdas físicas, decorrentes de vazamentos nas unidades do sistema.

Aparentes: são as perdas representadas pelas ligações clandestinas, fraudes nos medidores, erros de leituras, entre outros. Estas são denominadas perdas de faturamento, uma vez que a água é consumida, porém não é faturada pela concessionária.

Segundo um estudo realizado pelo Instituto Trata Brasil, que teve como objetivo estudar a situação das perdas de água do país, com foco nas grandes regiões, nos estados e no grupo das 100 maiores cidades brasileiras, cerca de 40% de água tratada no Brasil é desperdiçada. Na Europa, o percentual de perdas corresponde a cerca de 15% e no Japão é de apenas 3%.

Os dados utilizados no estudo são de 2010, que são os números oficiais mais recentes, e se baseiam nas perdas financeiras dos provedores dos serviços informadas ao Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), do Ministério das Cidades.

De acordo com a tabela abaixo é possível comparar a situação das perdas de água com a situação da disponibilidade hídrica em cada estado e o aumento da receita com a redução de 10% das perdas. 

 

Fonte: Adaptado do Trata Brasil. 

A pesquisa mostra que uma redução de apenas 10% das perdas do país corresponderia a uma receita de cerca de R$ 1,3 bilhão.

A redução de perdas poderia ser obtida por meio de medidas simples como a manutenção preventiva, verificando-se as peças com defeitos e sua substituição.

Fontes: 

Estudo realizado pelo Instituto Trata Brasil: Perdas de água: Entraves ao avanço do saneamento básico e riscos de agravamento à escassez hídrica no Brasil. 

PERTEL. M. Dissertação de Mestrado: “Caracterização do Uso da Água e da Energia Associada à Água em uma Edificação Residencial Convencional e uma Dotada de Sistema de Reúso de Águas Cinza”. 2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Etapas de um Projeto de Engenharia Civil

Cada projeto tem suas próprias características, mas basicamente um projeto é estruturado de acordo com as seguintes etapas:
Programa de Necessidades
Inicialmente é realizado o Programa de Necessidades, uma das etapas mais importantes na elaboração do projeto. Nessa fase ocorre uma reunião com o cliente, denominado "Reunião de Briefing". Nesse encontro o cliente informa o que ele quer no projeto como quantos cômodos terá a construção, tipo de acabamento, seus gostos e preferências, etc.
Também é realizado um estudo de viabilidade financeira, onde será analisado se a previsão de investimento do cliente será suficiente para fazer tudo que foi acordado ou se será necessário redimensionar o projeto.
E ainda, nessa reunião são coletados os documentos da propriedade para ver se está tudo regularizado. Importante não pular essa etapa pois pode evitar retrabalhos futuras.
Visita ao Local / Levantamento de Dados
Nessa etapa é analisado as questões legais do empreendimento, o estudo do …

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…