Pular para o conteúdo principal

Inovação no campo de energia eólica

Quando pensamos em energia eólica logo nos vem a mente aqueles cata-ventos gigantes, denominadas tecnicamente de Turbinas Eólicas de Eixo Horizontal (TEEH). Isso porque atualmente os parques eólicos ainda são dominados pelas TEEH. Mas algumas pesquisas que defendem a maior viabilidade das turbinas eólicas de eixo vertical (TEEV), pode fazer mudar esse quadro. Será?

Segundo o instituto americano Sandia National Laboratories, este tipo de turbina  pode permitir o aproveitamento mais eficiente de torres eólicas marítimas de grande altura, em comparação com as tradicionais turbinas de eixo horizontal. Outra vantagem seria a menor frequência e maior facilidade de manutenções, uma vez que os geradores, sistemas de freios, engrenagem ficam ao nível do solo e a diminuição da complexidade de fabricação.

Já os pesquisadores da Caltech, empresa especializada em instalação e eficiência de turbinas,  dizem que as TEEV podem ser uma melhor escolha em termos de eficiência. Por ocupar um espaço menor dos que a TEEH, elas são capazes de gerar dez vezes mais energia por metro quadrado do que a turbina horizontal. De acordo com uma série de testes, realizados pela empresa, os geradores verticais foram capazes de produzir de 21 a 47 watts de força por metro quadrado, enquanto os horizontais geraram apenas dois ou três watts por metro quadrado.

No entanto, ainda estão sendo pesquisadas de fato a viabilidade das TEEV, pois não basta serem eficientes, tem que ser também economicamente viável.


                                                                                       Fonte: Sandia National Laboratories.


Fontes:


Comentários

  1. Olá boa tarde, esse post é muito interessante, uma vez que as turbinas de eixos verticais não tem problemas com Barlavento e Sotavento, recebendo vento a qualquer direção o que possibilita mais energia a produzir. A turbinas destas instaladas nos EUA e que tem um grande potencial de energia adquirido As mais habituais que vemos por aí são as de 3 pás horizontais, mas á as multipás tendo rotor composto entre 12 e 24 pás, usadas geralmente em bombagens de aguas perto de zonas costeiras, ou lugares afastados junto de sistemas híbridos. As Savonius, Darrieus, etc..

    bom tópico este. boa tarde.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que é necessário para um projeto ser aprovado na prefeitura?

No Brasil, praticamente todas as prefeituras exigem os mesmos documentos, dados e informações na aprovação de um projeto. Em geral, para que um projeto seja aprovado em uma prefeitura ele deve conter informações suficientes para que a obra seja construída. No mínimo o projeto deve ter: planta baixa, planta de locação, planta de cobertura, planta de situação, 02 cortes, 02 elevações e, em casos de obras mais complexas podem ser necessários mais detalhamentos. Planta Baixa Planta baixa é a projeção de um corte horizontal imaginário à uma altura que normalmente é de 1,50 m do piso de uma construção futura. Essa altura é utilizada por ser ideal para captar os vãos das aberturas, como portas, janelas, basculas, para serem vistos e representados em planta. A planta nos permite visualizar e entender como ficará a construção: locais das paredes, vãos, cômodos, etc. Haverá uma planta baixa para cada um dos pavimentos da edificação. Fonte: Cadklein. A representação gráfica fi

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes. No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo. A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo pa

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011. OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom . Fontes:   * Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!   * Site do Planalto. Acesse Aqui!