Pular para o conteúdo principal

Produção mais Limpa (P + L) - Parte I

O que é a Produção mais Limpa?
 
A Produção mais Limpa também tem as seguintes denominações: P + L ou P mais L.

É a aplicação contínua de uma estratégia ambiental, econômica e tecnológica integrada aos processos e produtos, de modo a otimizar o emprego de matérias-primas, água e energia a fim de minimizar ou não gerar resíduos, reduzindo os riscos para os seres vivos e meio ambiente e trazendo benefícios econômicos para a empresa.

Em outras palavras, podemos defini-la como a prevenção da poluição, pois visa resolver os problemas na fonte geradora melhorando a eficiência do processo produtivo.

O método está muito relacionado a mudanças de atitudes e quebra de paradigmas dentro da empresa, com adoção de melhores técnicas de gestão, buscando uma nova abordagem entre a indústria e o ambiente. Dessa forma, muitas vezes não é necessário grandes investimentos.




Fonte: Adaptada da Revista Novo Ambiente. Edição 22 - Março/2012.

Comentários

  1. Estive a navegar pela net e vi seu blog em defesa ao meio ambiente e na minha área que é Energias Renováveis, aprecio muito esse seu interesse em tentar abrir os olhos da população com relação as Energias limpas, Renováveis. fiz um comentário á uma matéria que você postou sobre Eólicas, dados muito importante, assim tão importante quanto essa que estou a comentar.

    você está num belo caminho postando essas informaçõs, assim vamos ver se o governo incentiva a instalções de novos Pólos energéticos renováveis,, como Eólicas, fotovoltáicas e Sistema Térmicos, abraços.

    ResponderExcluir
  2. Também concordo com você, no Brasil falta incentivos por parte do governo no investimento de energia renovável, como por exemplo, na redução de impostos. Infelizmente, as tecnologias para geração de energia renovável (solar, eólica, etc) ainda possuem um custo elevado, o que acaba não sendo atrativo.

    Muito obrigada pelos comentários, com certeza contribuem muito para o enriquecimento do Blog. E esteja sempre a vontade para emitir suas opniãos.

    Abraços!


    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Tratamento de Esgoto - Parte III

Tratamento Primário

No tratamento primário ocorre a remoção dos sólidos em suspensão sedimentáveis e dos sólidos flutuantes, através da utilização de tanques de decantação. Os esgotos passam lentamente pelos decantadores, permitindo que os sólidos em suspensão, possuindo uma densidade maior do que a do líquido, sedimentem gradualmente no fundo. Essa massa de sólidos é denominada lodo primário bruto.
E os sólidos flutuantes, como graxas e óleos, tendo uma menor densidade que o líquido, sobem para a superfície dos decantadores, onde são coletados e removidos do tanque para posterior tratamento.
Os tanques de decantação podem ser circulares ou retangulares.

  Adaptado de Von Sperling, 2005 Atualmente, algumas unidades de tratamento de esgoto, tem susbstituído os decantadores primários por reatores anaeróbios, como os reatores UASB. A remoção de DBO através dos decantadores primários é em torno de 25 a 35%, com o reator UASB passa-se a ter uma eficiência em torno de 70%, possibil…