Pular para o conteúdo principal

‘NOTÍCIAS: Outdoor gera água potável no Peru usando ar.’

A Universidade de Engenharia e Tecnologia (UTEC - Universidad de Ingeniería & Tecnología) na cidade de Lima, no Peru, se uniu com a agência de publicidade Mayo Publicidad para criar uma campanha que divulgasse a universidade e também mostrar possíveis soluções para problemas como a falta de água de algumas regiões.

Dessa forma, foi criado um outdoor que produz água potável a partir da umidade do ar. A estrutura conta com cinco purificadores de água e um tanque de armazenamento.

Em três meses de operação, o outdoor já gerou 9450 litros de água, que abastecem centenas de famílias por mês. Por dia, o outdoor produz cerca de 100 litros de água própria para consumo humano...


Fonte: Revista Exame

Para conferir a notícia na íntegra na Revista Exame: Acesse Aqui!

*   *   *   *   *

Muitas regiões do planeta sofrem com a falta de água, por isso em muitos locais as pessoas acabam tendo que consumir águas contaminadas. Dessa forma, o desenvolvimento de novas tecnologias capazes de produzir água potável nessas regiões é de suma importância na melhoria da qualidade de vida da população, principalmente no que diz respeito a saúde das pessoas.

A escassez de água não é um problema novo e muito menos sem solução, existem várias pesquisas ao redor do mundo que visa o desenvolvimento de tecnologias para criar fontes alternativas de água: o reúso de água cinza em edificações, reaproveitamento da água da chuva, dessalinização da água do mar, entre outras. Mas também é necessário e importante participação das pessoas, em especial, no que diz respeito a redução do consumo de água

Comentários

  1. Olá boa noite eu que estou a comentar em seu blog, sou brasileiro mas mora em portugal e em termos de Eólicas que é uma fonte renovável inesgotável assim como a Solar, aqui na europa os países incentivam a instalarem Energias Renováveis, abaixando o imposto, reduzindo taxas moderadoras, até os países mais emergentes e pequenos aqui na europa ajudam em incentivos fiscais, isso proporciona uma qualidade de vida melhor e sem impactos a natureza.

    E pegando o gancho dessa matéria q vc postou, sobre o Outdoor, fornecer agua potável, á uma Turbina Eólica de Grande Potência e capta a humidade do ar, e a transforma em agua potável alem da energia q ela produz, tenho a imagem da turbina exteriormente , mas nao consegui compartilhar aqui cntg.

    E como eu disse a ti , um belo blog o seu, com intuito de preservar o MEIO AMBIENTE.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Também não sei como compartilhar imagens, verifiquei em configurações mas não tinha nada bloqueado...

    Se quiser me enviar por email: josi.guss@gmail.com , aí posso incluir no post e colocar suas referências...

    Obrigada!

    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…