Pular para o conteúdo principal

A Holanda sobre duas rodas

Holanda, o país onde a grande parte dos deslocamentos são feitos sobre duas rodas e o número de bicicletas supera o de habitantes. São mais de 18 milhões de bikes para os quase 17 milhões de pessoas. As bicicletas são utilizadas não só para atividades de lazer,  mas como meio de transporte diário, para ir ao trabalho, escola, mercado, etc.

A Holanda é um país pequeno, menor que o Estado do RJ e também é plano, o que contribui para a popularização do transporte. Mas não é somente isso, existem investimentos constantes na infraestrutura do país para as bikes. A malha cicloviária, passou de 12 mil quilômetros em 1996 para o atuais 29 mil quilômetros.  Em Amsterdã as ruas são todas adaptadas para o tráfego sobre duas rodas, com ciclovias, corredores compartilhados, postos de aluguel e de guarda e até sinais especiais.

E para incentir ainda mais o uso de bikes, existem políticas públicas mais restritivas ao uso de automóveis, como redução do acesso de carros aos centros das cidades, criando áreas-livres de carros, redução da velocidade máxima para veículos automotivos em algumas ruas e ainda a cobrança de taxas elevadas para os estacionamentos.

Mas para manter a ordem, os ciclistas também tem que cumprir algumas regras: tem que andar na mão correta da ciclovia, só podem cortar pela esquerda, devem dar sinal com a mão ao dobrar uma rua, respeitar os semáforos (Figura abaixo) , ter sempre lanterna e buzina funcionando. Caso contrário são punidos com multas.



Disponível em http://groetjesuitbelgie.blogspot.com.br - 14-01-13

A Holanda é um dos países do continente europeu com mais pessoas por m², são duas pessoas para cada 100 m². É muita gente para pouco espaço, e se não fosse o uso desse meio de transporte, o país não escaparia dos congestionamentos, barulhos e da poluição do ar. Além desses benefícios, pedalar faz bem a saúde, melhora a qualidade de vida da população, sem contar na economia de dinheiro.

Abaixo um dos estacionamentos de bicicletas na Holanda. Imagina agora o caos que seria se no lugar dessas bikes fossem carros.

       Disponível em www.profblog.org. - 14-01-13 / Disponível em http://elsingular.com - 14-01-13


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…