Pular para o conteúdo principal

Reciclagem de automóveis

Nos Estados Unidos e na Europa, cerca de 95% dos veículos que saem de circulação são reciclados. Nos últimos anos, a destinação inteligente de peças e carcaças de automóveis começam a ganhar importância no Brasil, mas o índice de reciclagem no país, ainda é bem pequeno, cerca de 1,5% (Fonte: Reportagem Quatro Rodas - Agosto/11).

No país não existe controle dos veículos que saem de circulação, muitos são abandonados pela cidade, depenados, tornando-se problema para o meio ambiente e para segurança das pessoas. Dessa forma, a reciclagem mostra-se como possível solução para esse problema.

Praticamente todas as peças e materiais do carro podem ser reaproveitadas: carcaças, para-brisa, painéis, para-choques, pneus, plásticos, aço, vidro, borracha, etc.

Por exemplo, ao reintroduzir o plástico, que é uma resina do petróleo,  na cadeia produtiva como matéria prima é possível reduzir o consumo de combustível fóssil. Ou seja, são utilizados menos recursos naturais na fabricação de produtos.

Ecopalace

A Ecopalace é um centro de captação, separação e destinação de resíduos e sucatas voltado para o segmento de oficinas reparadoras automotivas.

Eles recebem das oficinas, os resíduos gerados da reparação de veículos, que são as peças substituídas. Os materiais são separadas de acordo com o tipo (plástico, ferro, etc), triturados e encaminhados para reciclagem.

Regulamentações

Na Europa, as montadoras terão até 2015 para regulamentar a reutilização de 95% do carro. No Japão tem o mesmo prazo para reutilizar 70%. Na Nissan, 70% do material das linhas de montagem veio da reciclagem, existe também um processo de melhoria da desmontagem para facilitar o reaproveitamento.

No Brasil, ainda não há regulamentações, mas algumas fábricas já vem adotando materias que podem ser reciclados posteriormente. A ecoSport tem 85% de seus componentes recicláveis.

Existem algumas leis estaduais sobre o assunto, como a portaria publicada pelo Detran do Rio Grande do Sul e o projeto "Pátio Legal" do governo de São Paulo.


Vantagens

O preço do plástico reciclado é mais baixo que o da resina virgem, são utilizados menos recursos naturais, aumento da vida útil dos aterros sanitários, evita-se o abandono de veículos em terrenos baldios e beira de rios, melhoria da segurança com a troca de veículos muito velhos e sem condições adequadas de uso, podendo apresentar, por exemplo, defeitos nos freios e causar acidentes. Em suma, a reciclagem é bom para o meio ambiente, para economia e reduz riscos de acidentes.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…