Pular para o conteúdo principal

Medidas para redução do consumo de água em banheiros - Parte 1

O consumo de água em um banheiro depende de vários fatores: tecnologia dos aparelhos sanitários (chuveiro, torneira, vaso), tipo de edificação, época do ano e, principalmente, hábitos dos usuários.

Algumas medidas adotadas na elaboração e manutenção do banheiro podem reduzir consideravelmente o consumo de água nas residências e, consequentemente, a produção de esgoto sanitário.

Equipamentos economizadores de água

Somente a instalação de dispositivos como os arejadores, limitadores de vazão em equipamentos convencionais podem reduzir  a vazão em cerca de 50%.

Os equipamentos economizadores podem ser de dois tipos: os equipamentos de funcionamento hidromecânico, no qual o usuário aciona manualmente o dispositivo de comando e o fechamento ocorre após um tempo pré-determinado e o de sensor de presença, com a presença do usuário o sensor manda sinal para liberar o fluxo de água, quando não é mais identificado a presença do usuário interrompe-se o fluxo.



Disponível em www.dracoeletronica.com.br. [Acessado em 10 de novembro de 2012].

Também já existem no mercado os chuveiros economizadores de água, no qual o jato de água é separado em inúmeras gotículas em alta velocidade, mantendo o conforto do banho, em comparação aos chuveiros convencionais existe uma redução de volume de água de aproximadamente 50%.

Outra forma de economia de água é a instalação de redutores de pressão nos chuveiros convencionais, que mantém a vazão constante dentro da faixa de pressão de 10 mca a 40 mca; e/ou temporizadores hidromecânicos, onde cada o fluxo de água dura em média 30 segundos, o que ajuda a controlar banhos demorados, sendo considerada uma média de 05 acionamentos por banho.

Em relação aos vasos sanitários, uma forma de promover a economia de água e a adoção de descargas econômicas com volume de aproximadamente 6 litros por acionamento:

  • Bacia sanitária de ciclo fixo e volume de descarga de ordem de 6 litros;

  • Bacia sanitária de duplo acionamento, com opção de uso de 3 ou 6 litros;

  • Bacia sanitária com caixa de descarga externa ou embutida com volume de descarga
          de ordem de 6 litros;  

Disponível em www.aecweb.com.br. [Acessado em 29 de agosto de 2012].


  • Bacia sanitária com caixa de descarga pressurizada; e

  • Bacia sanitária com válvula de descarga eletrônica de ciclo fixo e volume de descarga
          de 6 litros.

Outra forma seria a adoção de mictórios, pois utilizam menos que 2 litros de água por acionamento. Aqui no Brasil ainda só existem modelos masculinos mas em outros lugares já podem ser encontrados os mictórios femininos. 

 
Disponível em http://aldojr2.wordpress.com. [Acessado em 10 novembro de 2012].

Podemos citar ainda vasos sanitários secos, que não utilizam água alguma, no qual os dejetos são destinados para  um câmara  onde  a  matéria  orgânica  se  decompõe  e  o  produto  final  pode  ser  utilizado  como adubo. No lugar da descarga, despeja-se um pouco de serragem ao usar o sanitário.

Também existem os vasos sanitários segregadores de urina, que como diz o nome, separa a urina das fezes, podendo a urina ser utilizada como fertilizante na agricultura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…