Pular para o conteúdo principal

Brasil - lixeira tóxica do planeta

Vários insumos agroquímicos, que possuem elevados graus de toxicidade e por isso  já foram banidos em diversos países, ainda são utilizados com sucesso aqui no Brasil. Desde 2008, somos os maiores consumidores globais de insumos químicos para agricultura. Nas últimas décadas, o consumo de agrotóxicos no mundo cresceu cerca de 93%, mas segundo a Anvisa, no Brasil, esse crescimento foi de aproximadamente 190%.

Dentre as 50 substâncias mais usadas em terras brasileiras, 24 já foram banidas nos Estados Unidos, Canadá, Europa e, algumas, mesmo na Ásia. Atualmente, apenas 14 delas estão em processo de reavaliação pela Anvisa. Uma delas é o endossulfam, utilizado em culturas de soja, café, algodão e cacau, ela é responsável por danos irreparáveis ao sistema produtivo e é um provável desregulador endócrino. Mas segundo previsões da Anvisa, seu uso será banido do país, até 31 de julho de 2013.

A cihexatina, muito utilizada em plantações de café, laranja, maçã, morango e pêssego, foi proibida no final de 2011. Considerada uma substância carcinogênica e neurotóxica, é ilegal na Austrália, China, Japão, Canadá, entre outros países.

São vários impactos ocasionados pelo uso de agrotóxicos, tanto ao meio ambiente quanto à saúde das pessoas, não só dos agricultores e suas famílias, como dos profissionais envolvidos no comércio e manipulação dessas substâcias e todos nós, diariamente, ao fazer nossas refeições.  De acordo com o economista do IBGE, cada US$ 1 gasto na compra de agrotóxicos pode custar aos cofres públicos US$ 1,28 em futuros gastos com a saúde de camponeses intoxicados.

É preciso banir o uso dessas substâncias e encontrar outras formas de produzir eficientemente com a ausência deles. Muitos especialistas alinhados ao modelo convencional, acreditam ser impossível produzir alimentos baratos e em grandes quantidades sem utilizar agrotóxicos. Mas outros defendem o cultivo em propriedades menores, com a diversificação de culturas, sem uso de defensivos agrícolas, como possível solução para esse problema.

 
Fonte

* Revista Ciência Hoje - Edição 296

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…