Pular para o conteúdo principal

Paragominas - “Município Verde”.

O município de Paragominas fica no nordeste do Pará. A cidade nem sempre foi denominada de “Município Verde”, ela se desenvolveu com a construção da rodovia Belém-Brasília a custas de muito desmatamentos, degradações e ilegalidades.

Em 2008, a cidade teve o nome incluído pelo Ministério do Meio Ambiente na lista negra dos municípios que mais desmatavam a Floresta Amozônica. Os produtores e as empresas locais passaram a sofrer todo tipo de restrição, inclusive de crédito. A imagem comercial dos produtos foi duramente atingida. O Ibama e a Polícia Federal, iniciou a operação “Arco de Fogo”, multando e embargando diversas propriedades.

Era preciso reverter esse quadro, assim teve início uma série de medidas para recuperação das áreas degradadas.

Pocedimentos adotados

  • Pacto pelo desmatamento zero e apoio do Imazon

Diversos setores da sociedade firmaram um pacto pelo desmatamento zero. Foi solicitado a ajuda do Imazon, Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, que mapeou todo o território e começou a monitorar mensalmente os desmatamentos, com a ajuda das imagens de satélite.

A cidade conseguiu alcançar um dos critérios exigidos para sair da lista negra do Ministério do Meio Ambiente, ao baixar suas taxas de desmatamentos para menos de quatro mil hectares, antes eram desmatados cerca de 30 mil hectares por ano.

  • CAR e apoio da ong TNC

Com o apoio  ong "The Nature Conservancy", a TNC, o município atigiu a segunda meta: inserir pelo menos 80% das propriedades do município no CAR, o "Cadastro Ambiental Rural". Em março de 2012, Paragominas se tornou o primeiro município da Amazônia a sair da lista do desmatamento.

  • Pecuária Verde

Para se manter fora da lista, o município precisa mudar a forma de produzir, daí surgiu o “Pecuária Verde”, um projeto do Sindicato Rural de Paragominas. O projeto contou com a ajuda de alguns especialistas: o agrônomo Moacyr Corsi, expert em manejo intensivo de pastagens, o professor Ricardo Ribeiro, biólogo, grande especialista em recuperação de áreas degradadas, e Adriano Páscoa, zootecnista, doutor em bem-estar animal.

A duração do projeto pode chegar a cinco anos. Inicialmente, o trabalho será concentrado em seis fazendas, que servirão de exemplos para as outras.

Alguma etapas do programa:

    • Delimitação da área a ser reflorestada - é feito a delimitação das áreas que precisam ser recuperadas e estuda-se a melhor forma de fazer isso. Em alguns caso, basta deixar a área sem roçar e sem aplicar herbicidas para ela se recuperar naturalmente, em outros casos, é necessário investir no plantio de semente ou muda de plantas nativas.

    • Enriquecimento da reserva legal - áreas que antes eram consideradas intocáveis, atualmente estão recebendo mudas de espécies nativas que podem ser futuramente exploradas (por exemplo, o cupuaçu).

    • Adotar tecnologias nas pastagens - para suprir as perdas de dinheiro e área com o reflorestamento, os fazendeiros foram orientados a adotar o pastejo rotacionado. As áreas antes utilizadas com pastagem extensiva é dividida em piquetes. O gado muda de piquete quando o capim começa a baixar. Essa técnica permite aumentar o número de gados por hectare.

    • Bem estar do animal - para melhorar a eficiência da produção, evitar acidentes e gerar lucros foram feitas melhorias nas instalações dos gados, treinamento das pessoas para saber lidar com as particularidades de cada animal. outras.

Paragominas está no caminho certo para fazer juz a denominação de “Município Verde”. Como vimos, com o pastejo rotacionado é possível poupar muito desmatamento. Tem que ser estudadas formar que incentive a legalidade mas que também não deixe de gerar lucros. Como citado na reportagem por um dos produtores: "A lucratividade é a chave da legalidade, só teremos atividades andando com a legalidade se elas forem lucrativas".


Fonte:

* Reportagem do Globo Rural “Paragominas, no PA, vira exemplo de desenvolvimento sustentável”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…