Pular para o conteúdo principal

Veículos elétricos: ambiente urbano mais agradável

No Brasil, os veículos elétricos estão, vamos a sim dizer, em seu estágio inicial. O custo de possuir um elétrico no país ainda é muito alto, mas não há dúvida de sua contribuição para manter o ambiente urbano mais agradável.

Uma das mais importantes vantagens é a redução da poluição atmosférica, embora, esses veículos não estejam isentos de impacto ambiental, uma vez que a eletricidade utilizada para recarregar as baterias normalmente provém de uma fonte de energia não renovável, ainda assim, eles geram menor emissão de carbono que os carros convencionais. Além disso, se as estações de recarga de bateria forem abastecidas por exemplo, por energia solar, as emissões são quase nulas.

Outra vantagem é minimização da poluição sonora, uma vez que o seu motor é bem mais silencioso que o do veículo convencional, o que proporciona um trânsito mais sadio, sem causar stress, irritação, fadiga, surdez, entre outros.

Além desses fatores, a energia elétrica tem um custo menor que a gasolina e o etanol. Além da manutenção, também menor em relação a modelos com motor a combustão.

Comparação dos gastos entre energia elétrica, etanol e a gasolina
Categoria
Gasto Diário (160 km)
Gasto em 20 dias (3200 Km)
Energia elétrica (R$ 0,29651/kwh)
R$ 7,11
R$ 142,20
Etanol (R$ 1,79/litro)
R$ 33,70
R$ 674,00
Gasolina (R$ 2,79/litro)
R$ 39,25
R$ 785,00
Fonte: Adaptado da Reportagem da Quatro Rodas “Vou de elétrico”.



Vejam também outros posts sobre veículos elétricos:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…