Pular para o conteúdo principal

Economia Ambiental

Durante muito tempo o homem ignorou o fato dos recursos serem escassos. Considerava o ar, a água, o solo, os animais, a vegetação, enfim, que todos os recursos naturais eram abundantes e acessíveis a todos sem custos.

No entanto, a partir da segunda metade do século XX, a humanidade começou a se dar conta de que esses recursos não eram inesgotáveis e que a ausência de algum deles poderia afetar a sobrevivência do homem, daí surgia a Economia Ambiental.

Com o aumento populacional cresceu o consumo dos recursos ambientais e a quantidade de resíduos e, o meio ambiente por sua vez, não tem conseguido absorver esses impactos e nem renovar-se. Os recursos disponíveis na natureza são insuficientes para satisfazer o homem. 

Dessa forma torna-se necessário encontrar meios de aproveitarmos ao máximo esses elementos naturais, ou seja, formas de aumentar a produção com o mínimo de recursos.

Por exemplo, somente um terço da cana é utilizado para produção de etanol, o restante é fibra, uma biomassa não fermentável, ou seja, na maioria das vezes os dois terços são descartados. Por isso novas pesquisas tentam converter a fibra ou celulose em etanol, o chamado etanol de segunda geração. Assim, teríamos um aumento na produção de combustíveis sem a necessidade de aumentar a área plantada. Isso é economia ambiental.

A economia ambiental busca formas de se lucrar sem destruir o meio ambiente. Algumas empresas já adotam medidas para desenvolver programas de gestão responsável das questões econômicas, ambientais e sociais, de maneira integrada, visando diminuir os impactos provocados ao meio.

A partir do momento que começarmos atribuir preços aos recursos naturais, a sua preservação será mais provável, um exemplo é a outorga do direito de uso dos recursos hídricos. Estamos acostumados a valorizar somente o que afeta o nosso bolso.

Fonte:
*   PHILIPPI JR., ROMERO, M.A, BRUNA, G.C. Curso de Gestão Ambiental. Manole, 2004.

Comentários

  1. Oi, Josiane. Encontrei uma postagem antiga sua sobre um avião movido à energia solar, estava pesquisando sobre esse assunto. Então, parei para dar uma olhada no seu blog. Sei que os assuntos são diferentes, mas, se você puder, dê uma olhada no blog que eu escrevo. O endereço é esse: http://pedrodacostapereira.blogspot.com.br/
    Espero que possa ser útil de alguma maneira para você. Abraço, Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Ei Pedro! vi seu blog! muito bacana! Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma de casa também precisa de autorização da prefeitura?

Com o passar do tempo é normal que um imóvel necessite de alguma mudanças, seja devido a alguns degastes ou só por um desejo do morador de renovar a casa, deixando-a mais confortável e bonita. Portanto, antes de iniciar uma obra é importante consultar um especialista na área (arquiteto ou engenheiro civil) para orientar nos procedimentos a serem tomados.

Algumas reformas podem ser realizadas sem a aprovação da prefeitura, como pinturas, substituição de portas e pisos, no entanto, qualquer intervenção que modifique a concepção original, em que haja acréscimo ou supressão de área do imóvel em relação ao projeto original ou que altere a mudança do seu uso (de residencial para comercial, por exemplo) precisam obrigatoriamente de Alvará de Aprovação de Reforma que é solicitado na Prefeitura mediante a apresentação do projeto com as devidas alterações. Também é necessário ficar atentos aos entulhos gerados na reforma, que devem ser descartados em caçambas regularizadas pela prefeitura.
Cada…

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…