Pular para o conteúdo principal

Plantio Direto: produzindo com sustentabilidade!

A população mundial já ultrapassa os 7 bilhões de habitantes, com esse crescimento aumenta-se o consumo por produtos, serviços e, principalmente por alimento. No entanto, é necessário produzir alimentos em qualidade e quantidade suficiente para atender a demanda atual sem comprometer a demanda das gerações futuras.

Dessa forma, o plantio direto contribui de forma decisiva para o manejo sustentável dos recursos naturais uma vez que proporciona vários benefícios ao meio ambiente, quando comparado a outras técnicas de cultivo.

  • O que seria o Plantio Direto?

O plantio direto é uma técnica de cultivo, no qual, consiste em preparar o solo uma única vez, deixando-o sempre coberto por plantas em desenvolvimento e por resíduos vegetais. Essa cobertura visa protegê-lo do impacto das chuvas, consequentemente, reduzindo o escoamento superficial, resultando em infiltrações lentas (devido a proteção)  e reduzindo as erosões.

A técnica permite uma diversificação na cultura de grãos, existe a chamada rotação de culturas. A combinação de espécies com diferentes exigências nutricionais, velocidade de decomposição, torna o sistema mais produtivo, evita-se a monocultura e ainda facilita o controle de pragas, doenças e ervas daninhas.

No sistema de cultivo tradicional o campo era cultivado uma única vez ao ano, com o plantio direto os tratores seguem logo atrás das colhedeiras plantando, em uma operação quase que simultânea. Enquanto que em outros lugares o normal é ter uma safra por ano, o Brasil está na segunda e chegando à terceira safra anual. Com essa técnica o volume de grãos cresce e o de hectares permanece estável, assim, de onde se tirava mil quilos de grãos, hoje é possível colher mais de 10 mil quilos por ano (Fonte: Reportagem do Globo Rural-”Plantio direto contribui para aumento da produção brasileira de grãos”).

  • Resultados na prática
 
    • O pesquisador Darci Ferrarin, adepto do plantio direto, explora quatro mil hectares de grãos no município de Sorriso - MT. Segundo ele, no início do plantio era utilizado cerca de 600 quilos de fertilizante por hectare. Com o decorrer do tempo e com a formação de tanta palhada e matéria orgânica, o consumo de fertilizante químico foi reduzido em 50%. Além dessa economia, também houve aumento da produção. (Fonte: Reportagem do Globo Rural-”Plantio direto contribui para aumento da produção brasileira de grãos”)

    • O produtor Herbert Bartz, do município de Rolândia, no norte do Paraná, pioneiro na experiência de plantar em clima tropical, diz que com o novo sistema gasta muito menos diesel em relação ao o convencional. “Em vez de gastar dez mil litros de diesel, nós gastávamos de 3 mil a 3,5 mil litros. Então, era uma fantástica redução de combustível”, calculou Bartz. (Fonte: Reportagem do Globo Rural-”Plantio direto contribui para aumento da produção brasileira de grãos”)

  • As vantagens para o meio ambiente

    • Com o terreno sempre coberto de palha, a absorção é maior e há menor arrasto de material para os cursos d’água, evitando o assoreamento de rios.

    • O pesquisador Carlos Cerri, professor da Esalq, a Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz, recebeu um importante prêmio da Embrapa por suas pesquisas sobre emissão de carbono. De acordo com Cerri, o plantio direto faz com que haja menor emissão de gases do efeito estufa para a atmosfera, por não revolver o solo. Além disso, a parte da palha que fica na superfície do solo, com a decomposição pelos organismos do solo, é incorporada no solo fazendo o que chamamos de sequestro de carbono pelo solo (Reportagem do Globo Rural:”Plantio direto contribui para aumento da produção brasileira de grãos”).

    • O plantio direto também permite a redução de fertilizantes, e devido a proteção do solo, esses produtos químicos não são escoados para os rios, evitando a sua contaminação e, consequentemente, a redução no custo de potabilização da água.

    • A técnica também permite a redução de combustíveis fósseis por unidade de área.  
 
Fontes:

* Reportagem do Globo Rural:”Técnicas usadas no campo ajudam a reduzir o aquecimento global.”
* Reportagem do Globo Rural:”Plantio direto contribui para aumento da produção brasileira de grãos”.
* Site da EMBRAPA.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é necessário para um projeto ser aprovado na prefeitura?

No Brasil, praticamente todas as prefeituras exigem os mesmos documentos, dados e informações na aprovação de um projeto. Em geral, para que um projeto seja aprovado em uma prefeitura ele deve conter informações suficientes para que a obra seja construída.
No mínimo o projeto deve ter: planta baixa, planta de locação, planta de cobertura, planta de situação, 02 cortes, 02 elevações e, em casos de obras mais complexas podem ser necessários mais detalhamentos.
Planta Baixa

Planta baixa é a projeção de um corte horizontal imaginário à uma altura que normalmente é de 1,50 m do piso de uma construção futura. Essa altura é utilizada por ser ideal para captar os vãos das aberturas, como portas, janelas, basculas, para serem vistos e representados em planta.
A planta nos permite visualizar e entender como ficará a construção: locais das paredes, vãos, cômodos, etc. Haverá uma planta baixa para cada um dos pavimentos da edificação. Fonte: Manual do Arquiteto.
Elevações
As elevações são desenhos,…

Etapas de um Projeto de Engenharia Civil

Cada projeto tem suas próprias características, mas basicamente um projeto é estruturado de acordo com as seguintes etapas:
Programa de Necessidades
Inicialmente é realizado o Programa de Necessidades, uma das etapas mais importantes na elaboração do projeto. Nessa fase ocorre uma reunião com o cliente, denominado "Reunião de Briefing". Nesse encontro o cliente informa o que ele quer no projeto como quantos cômodos terá a construção, tipo de acabamento, seus gostos e preferências, etc.
Também é realizado um estudo de viabilidade financeira, onde será analisado se a previsão de investimento do cliente será suficiente para fazer tudo que foi acordado ou se será necessário redimensionar o projeto.
E ainda, nessa reunião são coletados os documentos da propriedade para ver se está tudo regularizado. Importante não pular essa etapa pois pode evitar retrabalhos futuras.
Visita ao Local / Levantamento de Dados
Nessa etapa é analisado as questões legais do empreendimento, o estudo do …

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…