Pular para o conteúdo principal

Ônibus híbrido elétrico-hidrogênio

A COPPE/UFRJ - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia desenvolveu o ônibus H2. Aparentemente, é um ônibus convencional com capacidade para transportar 29 pessoas sentadas e 40 em pé. No entanto, possui um diferencial: o combustível -  ele é movido a energia elétrica obtida de baterias previamente carregadas na rede e complementada pela eletricidade produzida a bordo por uma pilha de combustível alimentada de hidrogênio.

O veículo tem autonomia para 300 km, sendo um terço provenientes de baterias carregadas na tomada elétrica e o restante por hidrogênio e um sistema de energia cinética, adquirida com a movimentação. Essa energia, normalmente, é desperdiçada na forma de calor durante as frenagens, em veículos comuns. O sistema é semelhante ao adotado pelos carros de Fórmula 1.

O projeto é liderado pelo Laboratório de Hidrogênio (LabH2) da Coppe e conta com diversas parcerias.

Algumas Vantagens:

  • Silencioso;
  • Eficiência energética maior que o ônibus a diesel;
  • Emissão zero de poluentes - único resíduo produzido é a água..
  • Uma importante vantagem é o fato do hidrogênio ser um elemento abundante na natureza, pode ser obtido de diversas fontes, destacando-se a água.


Algumas Desvantagens:

  • Alto custo da produção de hidrogênio combustível e o peso dos cilindros que armazenam o gás. No entanto, na Coppe os equipamentos são organizados de forma criativa e também há o gerenciamento da energia a fim de contornar esses custos. No projeto é usado uma pilha de baixa potência, pequena e leve, que consome relativamente pouco hidrogênio. Além disso, o outros equipamentos também possuem baixo peso, o que reduz a carga transportada e, assim, menor gasto de energia.

Fontes:
* Folder: Semana Nacional de Ciência e Tecnologia - COPPE/UFRJ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…