Pular para o conteúdo principal

‘NOTÍCIAS: Fungo que degrada plástico é encontrado na Amazônia.’

Estudantes do departamento de Biologia Molecular e Bioquímica da Universidade de Yale, Estados Unidos, descobriram na Amazônia, um fungo denominado Pestalotiopsis microspora, que pode degradar alguns tipos de plástico. Outras espécies de fungo também podem degradar plástico, ao menos parcialmente, mas o Pestalotiopis é o único que pode fazê-lo sem a presença de oxigênio, o que seria interessante para serem usados em aterros.

Estas descobertas podem ser o início de uma revolução no beneficiamento de milhões de toneladas de plásticos que são descartados no meio ambiente, por exemplo, no uso para degradar sacolas, que são utilizadas, por poucos minutos, pelo homem, e logo são descartadas, mas depois levam milhares de anos para se decompor...

Para conferir a notícia na íntegra na Revista Agropecuária: Acesse Aqui!

*   *   *   *   *

Embora campanhas de incentivo a redução de sacolas plásticas terem aumentado nos últimos anos, um exemplo é o Estado de São Paulo que começou esse ano (a partir do dia 25/01) uma campanha para banir o uso de sacolas plásticas em supermercados, ainda é grande o consumo de plásticos, seja em supermercados, lojas de roupas, de eletrodomésticos, entre outros. Assim, embora daqui um tempo ocorra uma redução, infelizmente, por um bom tempo os plásticos ainda farão parte do nosso lixo.

Dessa forma, encontrar maneiras de acelerar a decomposição do plástico é uma grande contribuição para o meio ambiente. Sabemos que esses tipos de descobertas levam tempo para alcançar uma escala industrial, por isso, a necessidade de maiores investimentos em pesquisas, para que importantes descobertas possam trazer benefícios em prazos menores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma de casa também precisa de autorização da prefeitura?

Com o passar do tempo é normal que um imóvel necessite de alguma mudanças, seja devido a alguns degastes ou só por um desejo do morador de renovar a casa, deixando-a mais confortável e bonita. Portanto, antes de iniciar uma obra é importante consultar um especialista na área (arquiteto ou engenheiro civil) para orientar nos procedimentos a serem tomados.

Algumas reformas podem ser realizadas sem a aprovação da prefeitura, como pinturas, substituição de portas e pisos, no entanto, qualquer intervenção que modifique a concepção original, em que haja acréscimo ou supressão de área do imóvel em relação ao projeto original ou que altere a mudança do seu uso (de residencial para comercial, por exemplo) precisam obrigatoriamente de Alvará de Aprovação de Reforma que é solicitado na Prefeitura mediante a apresentação do projeto com as devidas alterações. Também é necessário ficar atentos aos entulhos gerados na reforma, que devem ser descartados em caçambas regularizadas pela prefeitura.
Cada…

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!