Pular para o conteúdo principal

Energia renovável: o que o mar pode oferecer?

Pesquisadores afirmam que falta pouco para que os combustíveis não renováveis de origem fóssil sejam extintos. Assim, há uma urgência em busca novas fontes de energia, principalmente renovável, haja vista todos os problemas relacionados ao aquecimento global, além do fato da população mundial atual já ultrapassar os 7 bilhões de habitantes (e estimativas da ONU apontam que em 2025 a população atingirá os 8 bilhões de habitantes) o que aumenta a demanda de energia.

Dessa forma, o aproveitamento de recursos do mar, tem atraído a atenção das comunidades científicas, devido a alguns fatores presentes no oceano como: extensas áreas (70% da superfície da Terra), ampla distribuição mundial oceânica e, principalmente, altas densidades energéticas, as maiores entre as fontes renováveis.

A energia contida nos oceanos são distribuídas em diversas formas: marés, ondas, correntes marinhas, gradientes térmicos e gradientes de salinidade.

A água do mar é mais densa que o ar, portanto, existe maior concentração de energia nos recursos oceânicos. Para o mesmo potencial energético, é necessário menor área para conversão da energia das ondas em eletricidade do  que o exigido pela energia solar e eólica.

A extensa costa brasileira, apresenta condições para esse tipo de aproveitamento energético, no entanto,  embora haja algumas pesquisas em andamento, não há ainda regulamento legal para a exploração da energia do mar. O laboratório de tecnologia submarina da Coppe/UFRJ tem ampliado suas atividades em temas relacionados à energia renovável do mar.

Os custos envolvidos nessas pesquisas são altos, assim, para que projetos saiam do papel é necessário investimentos por partes dos órgãos governamentais e pelas empresas. Daqui a um curto tempo, a energia renovável não será apenas uma das opções e sim a única para mantermos a sustentação do planeta e consequentemente a sobrevivência da humanidade.

Fonte:
* PHILIPPI JR., ROMERO, M.A, BRUNA, G.C. Curso de Gestão Ambiental. Manole, 2004.
* Reportagem: “As múltiplas ofertas do mar.” Revista Scientific American - Edição especial: Todas as fontes de energia.

 

 

Comentários

  1. Para fazer uma pesquisa sobre a energia das marés é necessárias que tipos de licenças? Ambiental? Licenças municipais?

    grato,
    Bernard

    ResponderExcluir
  2. Bom não tenho certeza, mas na parte teórica não é necessário, no entanto, na parte prática deve ser necessário apresentar o projeto na secretária de meio ambiente e solicitar a licença.

    Vou tentar adquirir mais informações a respeito e te respondo se desejar pode me
    enviar seu email...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…