Pular para o conteúdo principal

Dilema: Rodízio de automóveis pode piorar poluição e congestionamentos?

Vamos começar entendendo como funciona o rodízio de carro, especificamente, o exemplo de São Paulo.

Também denominado de Operação Horário de Pico pela CET - Companhia de Engenharia de Tráfego, o rodízio foi estabelecido pela Lei Municipal 12.490 de 3 de outubro de 1997 e regulamentada pelo Decreto 37.085 e suas alterações e visa a  restrição de circulação de veículos particulares e de empresas de qualquer cidade, com exceção daqueles que realizam funções essenciais como transporte urbano e escolar, atendimento médico, transportem produtos perecíveis, pessoas portadoras de deficiência física ou dirigidos por estas últimas.

O rodízio é aplicado em duas faixas de horário do dia: das 7 às 10 horas e das 17 às 20 horas,  com uma escala que determina quais dias da semana e quais veículos podem circular, de acordo com a tabela abaixo:

                    
Dia da Semana
Dígitos Proíbidos
Segunda-feira
1 e 2
Terça-feira
3 e 4
Quarta-feira
5 e 6
Quinta-feira
7 e 8
Sexta-feira
9 e 0


O objetivo é estimular a redução da frota de veículos circulando na cidade e assim contribuir para a diminuição da poluição atmosférica e dos congestionamentos. No entanto, alguns especialistas, questionam que o rodízio pode trazer efeitos contrários ao desejado, principalmente em grandes centros da América Latina.

Esse sistema incentiva, de certa forma, a compra de mais carros pelas pessoas interessadas em burlar as regras do sistema. E como na América Latina, o valor do carro novo é bem maior que o usado, as pessoas optariam pelos usados, que são mais poluentes, assim seriam mais veículos congestionando o trânsito, afetando a qualidade do ar, aumentando os casos de problemas respiratórios e, consequentemente mais custos na área da saúde.


Soluções variadas


O incentivo do uso de bicicletas é uma boa solução para pequenas cidades, pois nas metropóles as pessoas precisam percorrer grandes distâncias para trabalhar e assim a idéia de utilizar bicicletas não é muito empolgante.

O ônibus transporta dez vezes mais pessoas que um carro, dessa forma o transporte público é ainda a melhor solução. No entanto, é necessário melhorar sua qualidade, investindo no aumento de sua frota, pois não é muito atraente viajar que nem uma sardinha enlatada. Seria interessante também, criar corredores somente para ônibus, fazer campanhas de incentivo ao uso de transporte público, mostrando as vantagens dessa opção, como por exemplo, o menor tempo de viagem devido aos corredores. Outra idéia seria a criação de faixa exclusiva para veículos com mais de uma pessoa, como forma de estimular a carona, pois na maioria das vezes os automóveis transportam somente o motorista.

Para os críticos, o modelo do rodízio só seria solucionado se a restrição estivesse efetivamente vinculada à melhoria do transporte público e o estímulo ao uso de meios de transporte não poluentes. Não adianta apenas aumentar os dias e horários de restrição. Além disso, é essencial o apoio dos cidadãos, sem o interesse das pessoas qualquer solução estará sujeita ao fracasso.


Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…