Pular para o conteúdo principal

‘Grandes Idéias: Sistema de tratamento de água que usa calor solar.’

O sistema de tratamento de água que não utiliza energia elétrica e não emite gás carbônico, foi desenvolvido por Leonardo Lira, estudante de engenharia elétrica da Universidade Federal de Goiás (campus de Jatai)

O projeto consiste em uma caixa de aproximadamente um metro quadrado, sem tampa, composto de cinco tábuas de compensado revestidas de papel-alumínio, com as paredes abertas e inclinadas, como uma espécie de concentrador que recebe luz solar.

No interior da caixa, foram depositados quatro garrafas PET transparentes com capacidade para dois litros cada, onde é armazenado a água para o tratamento. O processo tem duração de três a seis horas. A água chega a atingir uma temperatura de 70 graus Celsius (não atingindo a temperatura de fervura), eliminando bactérias, vírus e substâncias que fazem mal à saúde humana.

O sistema foi testado em cinco residências que não possuem água encanada e tratada. O líquido foi pré analisado pela companhia de saneamento de Goiás, que detectou impurezas, ocorrência de coliformes fecais e organismos como rotavírus. A água foi tratada durante três horas no concentrador, e suas impurezas eliminadas, ficando pronta para o consumo.

O sistema possuí baixo custo, o que pode ser utilizado por comunidades carentes sem acesso a saneamento básico.
        
Análises:

Existe uma boa quantidade de residências que aida não possuem água tratada. O país necessita de idéias que venham a contribuir com a redução desse número e consequentemente, com a redução de doenças relacionadas à água contaminada.

O projeto mostra-se bem simples e de baixo custo, no entanto, trata-se de um prótipo, com capacidade de tratar apenas oito litros de água. Ainda tem que ser verificado se o sistema seria eficaz em tratamentos de maior escala.

Tem que ser considerado também, que o mecanismo de tratamento depende da luz solar, assim o sistema pode ser prejudicado na ausência do sol. Mas isso, pode ser solucionado com a utilização do armazenamento de água para suprir a demanda nesse período.

Fontes:
* Reportagem: “Estudante cria sistema de tratamento de água que usa calor solar.” - Revista Sustentabilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é necessário para um projeto ser aprovado na prefeitura?

No Brasil, praticamente todas as prefeituras exigem os mesmos documentos, dados e informações na aprovação de um projeto. Em geral, para que um projeto seja aprovado em uma prefeitura ele deve conter informações suficientes para que a obra seja construída. No mínimo o projeto deve ter: planta baixa, planta de locação, planta de cobertura, planta de situação, 02 cortes, 02 elevações e, em casos de obras mais complexas podem ser necessários mais detalhamentos. Planta Baixa Planta baixa é a projeção de um corte horizontal imaginário à uma altura que normalmente é de 1,50 m do piso de uma construção futura. Essa altura é utilizada por ser ideal para captar os vãos das aberturas, como portas, janelas, basculas, para serem vistos e representados em planta. A planta nos permite visualizar e entender como ficará a construção: locais das paredes, vãos, cômodos, etc. Haverá uma planta baixa para cada um dos pavimentos da edificação. Fonte: Cadklein. A representação gráfica fi

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011. OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom . Fontes:   * Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!   * Site do Planalto. Acesse Aqui!

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes. No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo. A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo pa