Pular para o conteúdo principal

Certificações Ambientais para Empreendimentos - Green Buildings

Os chamados “Green Buildings”, ou seja, os prédios verdes, têm se destacado no setor de construção civil. São construções sustentáveis, desenvolvidas com menos impactos ambientais, destacando-se o uso racional de água e a conservação de energia.

Destam-se no Brasil, algumas certificações direcionadas a esses tipos de empreendimentos: LEED, AQUA, Procel Edifica, Selo Casa Azul da Caixa.

AQUA 

A certificação  AQUA - Alta Qualidade Ambiental é um processo de gestão do projeto, visando obter a qualidade ambiental de um empreendimento de construção ou reabilitação. 

Adaptada a partir da certificação francesa HQE, a AQUA foi criada no Brasil em 2008 e, é reconhecida internacionalmente por diversas entidades que fazem parte da SB Alliance – Sustainable Building Alliance

A certificação é concedida pela Fundação Vanzolini, associada à Universidade de São Paulo, com base em auditorias presenciais independentes em quatro fases: Programa, Concepção (projeto), Realização (obra) e Operação (uso). A certificação é concedida ao final de cada fase, mediante verificação de atendimento ao Referencial Técnico.

Para a certificação, o projeto deve satisfazer 14 categorias de desempenho, subdivididas em quatro fases: sitio e construção, gestão, conforto e saúde.

LEED 

A certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) são atribuídas pelo Conselho de Edificações Verdes dos Estados Unidos ( USGBC, sigla em inglês), instituto filantrópico, que estimula projetos ambientalmente corretos. 

A certificação, reconhecida internacionalmente, é realizada por meio de avaliação de alguns critérios do edifício: local sustentável; eficiência no uso de água; eficiência energética e cuidados com emissões na atmosfera; otimização do uso de materiais e recursos; qualidade ambiental no interior do edifício e inovação em design. Para cada critério são atribuídos pontos, que varia de acordo com o tipo de edifício.

O LEED atua no Brasil desde 2007, sendo pioneira no Brasil nesse tipo de certificação. A GBC Brasil (Green Building Council Brasil) é responsável por interpretar e adaptar o LEED para o mercado nacional.

Além dos diferentes tipos e necessidades, a certificação também tem diferentes níveis de acordo com o desempenho do empreendimento como Silver, Gold e Platinum.

Atualmente o GBC Brasil disponibiliza os seguintes tipos de LEED:
  • LEED NC – Novas construções e grandes projetos de renovação
  • LEED ND – Desenvolvimento de bairro (localidades)
  • LEED CS – Projetos da envoltória e parte central do edifício
  • LEED Retail NC e CI – Lojas de varejo
  • LEED Healthcare – Unidades de saúde
  • LEED EB_OM – Operação de manutenção de edifícios existentes
  • LEED Schools – Escolas
  • LEED CI – Projetos de interiores e edifícios comerciais

Procel Edifica 

A certificação Procel Edifica - Etiqueta de Eficiência Energética em Edificações foi instituída em 2003 e faz parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), desenvolvida em parceria entre a estatal Eletrobrás/Procel e o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e atua de forma conjunta com o Ministérios de Minas e Energia, o Ministério das Cidades, as universidades, os centros de pesquisa e entidades das áreas governamental, tecnológica, econômica e de desenvolvimento, além do setor da construção civil.

O Procel Edifica visa incentivar a conservação e o uso eficiente dos recursos naturais (água, luz, ventilação etc.) nas edificações, reduzindo os desperdícios e os impactos sobre o meio ambiente. Ele atua através de 6 vertentes: Capacitação, Tecnologia, Disseminação, Regulamentação, Habitação e Eficiência Energética e Planejamento. De acordo com o consumo de energia os edifícios recebem etiquetas de A a E.

Selo Casa Azul

Lançado em julho de 2009, o Selo Casa Azul, é instrumento da Caixa Econômica Federal de classificação da sustentabilidade de projetos habitacionais, que qualifica projetos de empreendimentos dentro de critérios socioambientais.

Para a concessão do selo, são considerados critérios agrupados em seis categorias: inserção urbana, projeto e conforto, eficiência energética, conservação de recursos materiais, uso racional da água e práticas sociais. 

De acordo com o número de critérios atendidos, o projeto pode obter o “Selo Casa Azul” nas seguintes classes: bronze, prata, ouro. Por exemplo, para alcançar o selo bronze, o  empreendimento deverá atender, no mínimo, 14 critérios obrigatórios. O selo prata, os que atenderem a 19 critérios, e ouro os que apresentarem o cumprimento mínimo de 24 das 46 condições. 

Analisando as certificações

Um prédio certificado torna-se referência no mercado, no entanto, alguns críticos acreditam que o sistema de certificação possa ser manipulado por estratégias de marketing, além de transferir a atenção do projeto para o impacto da publicidade ao invés do que é verdadeiramente importante que é impacto ambiental.

Alguns arquitetos acreditam que no caso do LEED (certificação através de pontos), o empreendedor pode direcionar o seu objetivo para obter a melhor pontuação, em vez de adotar o melhor para a construção priorizando os pontos fáceis e úteis como, por exemplo, optar por instalar um estacionamento de bicicletas, que não será utilizado especificamente na sua empresa, do que instalar um sistema de aquecimento ambientalmente sensível, que será mais útil, porém com um custo maior, uma vez que ambos valem um ponto.

Os certificados são de extrema importância para a disseminação do conceito/prática de edifícios sustentáveis, no entanto, é necessário avaliar o interesse do empreendedor em adquirir o certificado: o importante é a questão ambiental ou obter reconhecimento do prédio somente para lucrar. Até porque existem edifícios altamente sustentáveis, mas que não possuem certificação. 

Fontes:

* Site Fundação Vazolini
* Processo AQUA
* Site GBC Brasil
* Reportagem: “Arquitetura verde, mas nem tanto.” - Revista Scientific American Brasil - Terra 3.0 - Aquecimento  da atmosfera - Edição nº 3.
* Site Eletrobrás
* Site Caixa Econômica Federal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…