Pular para o conteúdo principal

EIA/RIMA - Parte I

Conhecendo um pouquinho o EIA/RIMA

    • O que é o EIA/RIMA
O EIA - Estudo de Impacto Ambiental e o RIMA - Relatório de Impacto Ambiental são dois documentos, que em conjunto, são utilizados como instrumento de Avaliação de Impacto Ambiental (AIA). O EIA/RIMA é um estudo prévio para avaliação de possíveis impactos decorrentes da instalação e/ou implementação de um empreendimento, dessa forma ele está vinculado à Licença Prévia.

No EIA é apresentado o detalhamento dos estudos realizados, com informações mais sigilosas, assim, o seu acesso é restrito. O RIMA é uma síntese do EIA, em formato menos técnico e mais simples, ilustrado por mapas, gráficos, quadros a fim de facilitar a sua compreensão, já que é de acesso público. A população deverá compreender as vantagens e desvantagens do projeto e suas consequências ambientais.

    • O que diz a Legislação no Brasil?
O artigo 9º, inciso III e IV, da Lei 6.938 de 31 de Agosto de 1981, lista a avaliação de impactos ambientais e o licenciamento e a revisão de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras,  respectivamentes, como instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente:

Art 9º - São instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente: 
III - a avaliação de impactos ambientais;                                             
IV - o licenciamento e a revisão de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras;


O artigo 225. § 1º, IV da Constituição Federal de 1988, menciona a exigência do estudo de impacto ambiental:
Art. 225. § 1º, IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade  potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade;

A Resolução CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986, define as situações e estabelece os requisitos e condições para desenvolvimento do EIA/RIMA.

E a Resolução CONAMA Nº 237, de 19 de dezembro de 1997, revisa procedimentos e critérios utilizados no licenciamento ambiental, de forma a incorporar ao sistema de licenciamento os instrumentos de gestão ambiental e a integrar a atuação dos órgãos do SISNAMA na execução da Política Nacional do Meio Ambiente. O artigo 11º da resolução cita os responsáveis pela elaboração e custo do estudos de impactos ambientais:

Art. 11 - Os estudos necessários ao processo de licenciamento deverão ser realizados por profissionais legalmente habilitados, às expensas do empreendedor.

    • Responsáveis pela elaboração do EIA/RIMA
O EIA/RIMA deve ser elaborado por uma equipe técnica multi e interdisciplinar, formado por profissionais de diversas áreas (engenheiros, tecnólogos, biólogos, sociólogos, geólogos, ... ) devidamente qualificados e credenciados em seus órgãos de classe, de acordo, com a natureza impactante da atividade analisada. 

Os custos e despesas de realização do EIA/RIMA são de responsabilidades do empreendedor.

Os órgãos de licenciamento ambiental, serão responsáveis pela orientação dos estudos e encarregados de sua análise e encaminhamento dos resultados ao público (audiências públicas) para apreciação e discussão.

    • Atividades que exigem EIA/RIMA
De acordo com a Resolução CONAMA nº 001 de 1986,  qualquer atividade significativamente impactante dependerá da elaboração do EIA/RIMA, tais como:

I - Estradas de rodagem com duas ou mais faixas de rolamento;
II - Ferrovias;
III - Portos e terminais de minério, petróleo e produtos químicos;
IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;
V - Oleodutos, gasodutos, minerodutos, troncos coletores e emissários de esgotos sanitários;
VI - Linhas de transmissão de energia elétrica, acima de 230KV;
VII - Obras hidráulicas para exploração de recursos hídricos, tais como: barragem para fins hidrelétricos, acima de 10MW, de saneamento ou de irrigação, abertura de canais para navegação, drenagem e irrigação, retificação de cursos d'água, abertura de barras e embocaduras, transposição de bacias, diques;
VIII - Extração de combustível fóssil (petróleo, xisto, carvão);
IX - Extração de minério, inclusive os da classe II, definidas no Código de Mineração;
X - Aterros sanitários, processamento e destino final de resíduos tóxicos ou perigosos;
Xl - Usinas de geração de eletricidade, qualquer que seja a fonte de energia primária, acima de 10MW;
XII - Complexo e unidades industriais e agro-industriais (petroquímicos, siderúrgicos, cloroquímicos, destilarias de álcool, hulha, extração e cultivo de recursos hídricos);
XIII - Distritos industriais e zonas estritamente industriais - ZEI;
XIV - Exploração econômica de madeira ou de lenha, em áreas acima de 100 hectares ou menores, quando atingir áreas significativas em termos percentuais ou de importância do ponto de vista ambiental;
XV - Projetos urbanísticos, acima de 100ha. ou em áreas consideradas de relevante interesse ambiental a critério da SEMA e dos órgãos municipais e estaduais competentes;
XVI - Qualquer atividade que utilize carvão vegetal, em quantidade superior a dez toneladas por dia.


MINI GLOSSÁRIO

Licença Prévia (LP) - concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento ou atividade aprovando sua localização e concepção, atestando a viabilidade ambiental e estabelecendo os requisitos básicos e condicionantes a serem atendidos nas próximas fases de sua implementação (Resolução Conama Nº 237/97).

FONTES:

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986

RESOLUÇÃO Nº 237 , DE 19 DE dezembro DE 1997

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

Sustentabilidade na Construção Civil - Parte 3: Redução, Reutilização e Reciclagem de Resíduos Sólidos

A indústria de construção civil é uma das que mais utiliza recursos naturais e também uma das maiores geradoras de resíduos, tais como: tijolos,  blocos  cerâmicos,  concreto  em  geral,  solo,  rocha,  madeira,  forro, argamassa, gesso, telha, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc.,
O destino desses resíduos muitas vezes são inadequados, contribuindo para os impactos ambientais, tais como: assoreamento de rios e corrégos, obstrução dos sistemas de drenagem, proliferação de agentes transmissores de doenças, etc.
Assim,  é necessário encontrar formas de reduzir, reutilizar e reciclar  (3 Rs) esses entulhos.
Redução
A redução de resíduos consiste em encontrar maneiras de utilizar ao máximo a matéria prima, evitando desperdícios. Para isso é necessário uma boa elaboração do projeto, especificando o material mais indicado, método construtivo mais adequado, visando sempre a menor produção de resíduos e o aumento da vida útil do edifício.
A co…

Cuidados no dimensionamento e na instalação da cobertura verde

Existem 3 tipos de telhados verdes: o extensivo, o intensivo e o semi-intensivo. Eles se diferenciam pelo porte da vegetação e pela quantidade de solo necessária para seu cultivo. O tipo extensivo tem o aspecto de um jardim, com plantas de pequeno porte como as gramíneas. Já a intensiva comporta plantas de médio a grande porte como os arbustos, samambaias e pequenas árvores.

Independentemente do tipo de cobertura adotada, a laje deve ser dimensionada para suportar cargas equivalentes ao acúmulo de água e ao peso total do sistema.

Camada impermeabilizante

É necessário que a superfície seja impermeabilizada antes da instalação do sistema, isso evita que ocorra infiltrações devido ao acúmulo de água da chuva na cobertura. O tipo de impermeabilizante irá depender do projeto e do gosto do executor. Normalmente é utilizado o PEAD (manta de polietileno de alta densidade), cimento polimérico, manta asfáltica geotêxtil ou com tratamento anti-raiz, dependendo do tipo de vegetação.

Camada drenante

E…