Pular para o conteúdo principal

‘GRANDES IDÉIAS: Carro quadriflex.’

O “carro quadriflex” possuí quatro fontes de energia: eólica, solar, gasolina e etanol. Desenvolvido a partir de um Fiat Uno que já possuí um motor bicombustível comum (gasolina e etanol) o projeto conta ainda com sistemas auxiliares de captação de energia solar e eólica.

O sistema solar é composto  um painel fotovoltaico instalado no teto, que capta energia sempre que exposto a luz solar e a energia eólica é produzida através de turbinas instaladas na dianteira do veículo, que funcionam quando o automóvel atinge 40 km/h.

A energia das fontes alternativas alimenta sistemas periféricos como ar-condicionado, rádio, recarga de baterias entre outros. Como o motor fica livre dessa função (sem correia de alternador para recarga da bateria) economiza combustível.

O “carro quadriflex” foi apresentado na EcoEnergy, Feira Internacional de Tecnologias Limpas e Renováveis para Geração de Energia e Eficiência Energética em São Paulo, , que realizou sua primeira edição entre os dias 15 e 17 de setembro desse ano. O projeto foi desenvolvido pelo engenheiro cearense Fernando Alves Ximenes que garante que a tecnologia pode ser aplicada em qualquer carro.

Segundo Ximenes a tecnologia é responsável pela redução de 40% de combustível e emissão de poluentes e o preço do equipamento é aproximadamente R$ 8.000,00.

Mini Glossário
Painel Fotovoltaico: são dispositivos compostos por células solares utilizados para converter a energia da luz do Sol em energia elétrica.
Energia Eólica: energia que provém do vento. O termo eólico vem do latim aeolicus, pertencente ou relativo a Éolo, Deus dos ventos na mitologia grega. 

Fontes:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma de casa também precisa de autorização da prefeitura?

Com o passar do tempo é normal que um imóvel necessite de alguma mudanças, seja devido a alguns degastes ou só por um desejo do morador de renovar a casa, deixando-a mais confortável e bonita. Portanto, antes de iniciar uma obra é importante consultar um especialista na área (arquiteto ou engenheiro civil) para orientar nos procedimentos a serem tomados.

Algumas reformas podem ser realizadas sem a aprovação da prefeitura, como pinturas, substituição de portas e pisos, no entanto, qualquer intervenção que modifique a concepção original, em que haja acréscimo ou supressão de área do imóvel em relação ao projeto original ou que altere a mudança do seu uso (de residencial para comercial, por exemplo) precisam obrigatoriamente de Alvará de Aprovação de Reforma que é solicitado na Prefeitura mediante a apresentação do projeto com as devidas alterações. Também é necessário ficar atentos aos entulhos gerados na reforma, que devem ser descartados em caçambas regularizadas pela prefeitura.
Cada…

Tratamento de Esgoto - Parte II

Tratamento Preliminar

O tratamento preliminar objetiva principalmente à remoção de sólidos grosseiros e areia, através de mecanismos físicos. Essa etapa do tratamento é composto basicamente por grades, desarenador (caixa de areia) e um medidor de vazão (ex: calha Parshall) (ver figura abaixo).

Adaptado de Von Sperling, 2005.
GradesAs grades são responsáveis pela remoção dos sólidos grosseiros. No gradeamento, o material de dimensões maiores do que o espaçamento entre as barras é retido. A remoção desse material retido pode ser manual ou mecanizada, que irá depender do tipo de grades utilizada em cada ETE.

Finalidades da remoção de sólidos grosseiros: Proteger as unidades de tratamento subsequentes; Proteger as bombas e tubulações (dispositivos de transporte do esgoto); Proteger os corpos receptores.
Desarenadores (caixa de areia)
Os desarenadores são responsáveis pela remoção da areia contida nos esgotos. Através do mecanismo de sedimentação, os grãos de areia, por terem maiores dime…

‘POLÍTICA AMBIENTAL: Linha do tempo - Evolução da legislação ambiental brasileira.’

Um breve resumo da legislação ambiental no Brasil de 1906 a 2011.

OBS: Por favor, para uma melhor visualização, abrir a imagem em uma nova aba e dar zoom.





Fontes:
* Site do Ministério do Meio Ambiente. Acesse Aqui!
* Site do Planalto. Acesse Aqui!