Pular para o conteúdo principal

‘GRANDES IDÉIAS: Carro quadriflex.’

O “carro quadriflex” possuí quatro fontes de energia: eólica, solar, gasolina e etanol. Desenvolvido a partir de um Fiat Uno que já possuí um motor bicombustível comum (gasolina e etanol) o projeto conta ainda com sistemas auxiliares de captação de energia solar e eólica.

O sistema solar é composto  um painel fotovoltaico instalado no teto, que capta energia sempre que exposto a luz solar e a energia eólica é produzida através de turbinas instaladas na dianteira do veículo, que funcionam quando o automóvel atinge 40 km/h.

A energia das fontes alternativas alimenta sistemas periféricos como ar-condicionado, rádio, recarga de baterias entre outros. Como o motor fica livre dessa função (sem correia de alternador para recarga da bateria) economiza combustível.

O “carro quadriflex” foi apresentado na EcoEnergy, Feira Internacional de Tecnologias Limpas e Renováveis para Geração de Energia e Eficiência Energética em São Paulo, , que realizou sua primeira edição entre os dias 15 e 17 de setembro desse ano. O projeto foi desenvolvido pelo engenheiro cearense Fernando Alves Ximenes que garante que a tecnologia pode ser aplicada em qualquer carro.

Segundo Ximenes a tecnologia é responsável pela redução de 40% de combustível e emissão de poluentes e o preço do equipamento é aproximadamente R$ 8.000,00.

Mini Glossário
Painel Fotovoltaico: são dispositivos compostos por células solares utilizados para converter a energia da luz do Sol em energia elétrica.
Energia Eólica: energia que provém do vento. O termo eólico vem do latim aeolicus, pertencente ou relativo a Éolo, Deus dos ventos na mitologia grega. 

Fontes:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é necessário para um projeto ser aprovado na prefeitura?

No Brasil, praticamente todas as prefeituras exigem os mesmos documentos, dados e informações na aprovação de um projeto. Em geral, para que um projeto seja aprovado em uma prefeitura ele deve conter informações suficientes para que a obra seja construída.
No mínimo o projeto deve ter: planta baixa, planta de locação, planta de cobertura, planta de situação, 02 cortes, 02 elevações e, em casos de obras mais complexas podem ser necessários mais detalhamentos.
Planta Baixa

Planta baixa é a projeção de um corte horizontal imaginário à uma altura que normalmente é de 1,50 m do piso de uma construção futura. Essa altura é utilizada por ser ideal para captar os vãos das aberturas, como portas, janelas, basculas, para serem vistos e representados em planta.
A planta nos permite visualizar e entender como ficará a construção: locais das paredes, vãos, cômodos, etc. Haverá uma planta baixa para cada um dos pavimentos da edificação. Fonte: Manual do Arquiteto.
Elevações
As elevações são desenhos,…

Etapas de um Projeto de Engenharia Civil

Cada projeto tem suas próprias características, mas basicamente um projeto é estruturado de acordo com as seguintes etapas:
Programa de Necessidades
Inicialmente é realizado o Programa de Necessidades, uma das etapas mais importantes na elaboração do projeto. Nessa fase ocorre uma reunião com o cliente, denominado "Reunião de Briefing". Nesse encontro o cliente informa o que ele quer no projeto como quantos cômodos terá a construção, tipo de acabamento, seus gostos e preferências, etc.
Também é realizado um estudo de viabilidade financeira, onde será analisado se a previsão de investimento do cliente será suficiente para fazer tudo que foi acordado ou se será necessário redimensionar o projeto.
E ainda, nessa reunião são coletados os documentos da propriedade para ver se está tudo regularizado. Importante não pular essa etapa pois pode evitar retrabalhos futuras.
Visita ao Local / Levantamento de Dados
Nessa etapa é analisado as questões legais do empreendimento, o estudo do …

Importância do EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental no licenciamento de empreendimentos

A legislação brasileira e estrangeira estipula aos empreendedores a apresentação de estudos de impacto ambiental para o licenciamento ambiental de atividades econômicas. A definição de quais estudos ambientais serão utilizados vai depender do grau de impacto ambiental envolvido e da análise dos órgãos ambientais competentes.
No caso do licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente, tais como: ferrovias; portos; terminais de minério, petróleo e produtos químicos; oleodutos, entre outras atividades (especificadas na resolução Conama 001/86), é necessário a elaboração de estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA), a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e da Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) em caráter supletivo.
A exigência de apresentação de estudos ambientais é importante, pois destina-se verificar  a viabilidade ambiental do negócio a ser instalado ou operado pelo empreendedor, servindo para preven…